16/04/2012 09:48

Clareie sua vagina e seja feliz

É o mote da propaganda de um creme clareador indiano

Foto alexa627

Um jovem casal indiano - de pele bem clara, é bom notar - passa o tempo na sala de casa. Ele lê o jornal, impassível. Ela, entre caras e bocas, demonstra a frustração pela desatenção do marido. Eis que entra em cena o creme clareador Clean and Dry Intimate Wash, que não só tem ph balanceado como clareia a pele de moçoilas atormentadas por uma vagina insuficientemente branca. Et voilà: a paixão e a alegria voltam a reinar entre os pombinhos.

A inacreditável publicidade do creme, produto da multinacional indiana de cosméticos Midas Care, tem causado polêmica na Índia e repercutido em sites do mundo todo. A jornalista Cinzia Gubbini comenta em seu blog no site do jornal italiano il manifesto que o mercado de cremes clareadores tem forte impacto na Índia, no Sri Lanka e no Paquistão. Também em países europeus, com uma grande população de imigrantes africanos e asiáticos, os cremes são um grande sucesso - mesmo que na Itália sejam ilegais e um comerciante tenha sido preso no início de abril em Gênova por vendê-los. A empresa indiana se defende: "A função clareadora é somente uma das muitas qualidades do produto". Na revista indiana Open, um diretor de filmes publicitários e peças de teatro afirma que "se você tem duas belas garotas, uma com a pele clara e outra com a pele escura, você vê melhor as feições da garota de pele clara. Isto porque ela reflete mais a luz."

A jornalista se pergunta: "mas qual é o problema de clarear a minha vagina, se eu estiver com vontade? Qual é o problema de comercializar um produto que, como sublinha a Midas Care, 'é um ótimo produto' (tem até ph balanceado)? Qual é o problema de difundir a ideia de que a cor da pele influi sobre a sua beleza - e não só, mas também sua felicidade, sua capacidade de se sentir bem consigo mesma e de atrair o seu namorado? E qual é o problema se já não basta clarear o rosto, mas agora queremos clarear também a vagina? Nenhum problema?"

Se os absurdos destacados por Cinzia já não fossem o suficiente, estudos indicam que o uso deste tipo de cosmético pode causar má-formação fetal, e estes cremes geralmente contém uma substância chamada hidroquinona, banida em alguns países, como a França, por riscos de câncer.

Veja o vídeo da patética propaganda do creme aqui, e leia o artigo completo da jornalista italiana no site do jornal il manifesto.

 

Assine a revista Samuel. Apoie a imprensa independente.

comente